Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Em entrevista exclusiva, Anitta fala sobre celulite e a questão de mulher no clipe 'Vai malandra'

Data da Postagem: 22/12/2017 | Fonte: O Globo
(Foto: Divulgação).

Além da exposição impressionante (o clipe “Vai Malandra” caminha, célere, rumo a 30 milhões de visualizações), o novo trabalho de Anitta suscitou um debate sobre a mulher retratada ali: Objetificada? Fortalecida? “A malandra do clipe é a dona da história”, diz a cantora, que mostra seu corpo sem retoques (“a mulher real tem celulites”), e defende a realidade da favela mostrada no clipe. “Nada foi inventado. Ele expôs a realidade do funk e das favelas cariocas”. Ela conversou com Maria Fortuna.

Foi uma decisão sua mostrar o corpo sem retoques? Não disfarçar imperfeições como as celulites seria uma forma de ajudar a mulher a se liberar de padrões irreais?

Sim, foi uma decisão minha não fazer o retoque. A mulher real tem celulite, a maioria tem. A estética de “Vai Malandra” é muito verdadeira, mostra uma favela real e com pessoas da comunidade. Fico feliz em saber do impacto positivo que a minha celulite teve nas mulheres. Nós devemos nos unir e parar de julgar os corpos e as escolhas umas das outras.

Como encara as críticas sobre objetificação da mulher?

Quando decidi encerrar o CheckMate (série de clipes, com um lançamento por mês) com “Vai Malandra”, eu quis voltar às minhas origens e mostrar a realidade das favelas cariocas. O funk é um ritmo que veio da periferia. É um gênero tão rico, tão brasileiro, e cheio de cultura, mas ao mesmo tempo não tem o reconhecimento que merece. A “malandra” do clipe não é objetificada, ela é a dona da história. E ela não é representada somente por mim, mas por todas as mulheres que participaram do clipe, na cena da laje ou na do baile. O clipe mostra diversos tipos de beleza, com diversas cores, pesos e gêneros. E toda essa beleza também é real, assim como a minha celulite.

Acha que o clipe retrata bem o Brasil?

Sim. O clipe expôs a realidade do funk e das favelas cariocas. Mostramos o bronze na laje, os bailes, o mototáxi, e a alegria que existe nas comunidades. Se você subir o morro, vai ver tudo isso que mostramos. Nada foi inventado.

Já tem gente dizendo que o biquíni de fita isolante vai ser a fantasia do próximo carnaval...

Desde agosto, quando gravamos o clipe, o biquíni de fita isolante virou hit. É muito legal ver isso (risos). Me divirto vendo os fãs reproduzindo os looks dos clipes e tô animada para ver as fantasias do carnaval.




Untitled Document
© NAVIRAÍ EM FOCO | TODOS OS DIREITOS RESERVADOS