Naviraí em Foco - Mãe de índia recém-nascida enterrada viva em MT, adolescente de 15 anos diz à polícia que quer ficar com a filha


Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Mãe de índia recém-nascida enterrada viva em MT, adolescente de 15 anos diz à polícia que quer ficar com a filha

A avó e a bisavó da bebê estão presas e, segundo a polícia, premeditaram o crime. A recém-nascida passou cerca de 6 horas enterrada, foi resgatada e sobreviveu. Data da Postagem: 12/06/2018 | Fonte: G1 MT
Índia recém-nascida que sobreviveu ao ser enterrada por quase 7 horas está no Hospital Regional de Água Boa, a 736 km de Cuiabá (Foto: Polícia Militar de MT)

A adolescente de 15 anos, mãe da índia recém-nascida – que foi resgatada depois de ser enterrada viva pela família dela, no início do mês, em Canarana, a 838 km de Cuiabá – foi ouvida e manifestou interesse em ficar com a filha, de acordo com a Polícia Civil.

Segundo o Ministério Público Estadual (MPE), a recém-nascida está sob a tutela do estado e, somente ao fim do inquérito policial, a Justiça deve decidir se ela volta para a família ou entra para a fila de adoção.

A bisavó da recém-nascida foi presa em flagrante e, depois de audiência de custódia, teve a prisão preventiva decretada.

Kutsamin Kamayura, de 57 anos, foi ouvida e alegou que a criança não chorou e, por isso, acreditou que estivesse morta. Seguindo o costume da comunidade indígena, ela enterrou o corpo no quintal, sem comunicar os órgãos oficiais.

De acordo com a polícia, a indígena deve ficar presa na sede da Fundação Nacional do Índio (Funai) em Gaúcha do Norte, a 595 km de Cuiabá. A transferência foi autorizada pela Justiça.

A avó da bebê, Tapoalu Kamayura, de 33 anos, também está presa. Segundo as investigações, as duas premeditaram e planejaram enterrar a recém-nascida, uma vez que não aceitavam a criança já que o pai do bebê seria um índio de outra etnia.

G1 tentou, mas não consegiu localizar a defesa de Kutsamin e de Tapoalu.

Avó e bisavó não aceitavam índia recém-nascida enterrada viva por ser filha de mãe solteira e pai de outra etnia (Foto: Polícia Civil de MT/TV Centro América)

Avó e bisavó não aceitavam índia recém-nascida enterrada viva por ser filha de mãe solteira e pai de outra etnia (Foto: Polícia Civil de MT/TV Centro América)

Ainda seguno o MPE, um estudo antropológico deve ser realizado para ajudar na resolução do caso.

 

Resgate

 

A Polícia Civil estima que a criança ficou enterrada por seis horas – entre as 14h e 20h de terça-feira (5) em uma cova de 50 centímetros de profundidade. Desde a quarta-feira (6), a menina está internada na Santa Casa de Cuiabá.

A bebê encontra-se em estado grave, porém estável. A bebê continua com insuficiência renal aguda e faz diálise. Permanece sob sedação contínua e respira com ajuda de aparelhos.

 

Funai

 

Em nota enviada ao G1 nesta segunda-feira, a Funai informou que aguarda a apuração de todos os fatos pelas 'instâncias responsáveis' e acompanha o caso por meio das unidades locais e nacional.

Afirmou ainda que vai 'contribuir', quando solicitada, no âmbito de suas atribuições.




Untitled Document
© NAVIRAÍ EM FOCO | TODOS OS DIREITOS RESERVADOS