Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Submarino argentino desaparecido há um ano é encontrado

Data da Postagem: 18/11/2018 | Fonte: G1
Divulgação

O submarino argentino ARA San Juan, desaparecido há um ano nas águas do Oceano Atlântico, com 44 tripulantes a bordo, foi localizado, informaram deste sábado (17) o Ministério da Defesa e a Marinha da Argentina.

A embarcação está em uma região de cânions (espécie de rios submarinos), a 800 metros de profundidade, e a 600 km da cidade de Comodoro Rivadavia, na Patagônia, onde se tinha montado o centro de operações durante a busca.

O local é o mesmo onde há um ano foi identificada uma "anomalia hidroacústica" semelhante a uma explosão. Segundo o jornal "Clarín", as primeiras informações oficiais são de que o submarino está "achatado na proa e bastante intacto".

O submarino estava a cerca de 430 quilômetros da costa patagônica da Argentina quando enviou seu último sinal, no dia 15 de novembro de 2017.

A empresa norte-americana Ocean Infinity, contratada pelo governo argentino, encontrou o submarino por meio de observação feita com um veículo submarino operado remotamente com câmeras subaquáticas. A equipe ainda rastreia e investiga a área com um veículo operado por controle remoto. A companhia deverá receber US$ 7,5 milhões pelo trabalho.

"O Ministério da Defesa e a Armada da Argentina informam que no dia de hoje, tendo sido investigado o ponto de interesse número 24 informado pela Ocean Infinity, mediante observação realizada com um ROV [veículo de observação remota] a 800 metros de profunidade, houve identificação positiva do Ara Jan Juan", anunciou a Marina Argentina no Twitter na madrugada deste sábado (17).

Ainda não há informações sobre como será feito o resgate da embarcação.

'Ver a realidade crua é difícil', diz parente

Familiares dos 44 tripulantes do submarino afirmaram nà agência Efe estar "muito chocados" com a aparição da embarcação. "É muito impactante. Graças a Deus eles estão em paz", contou Marta Vallejos, irmã de Celso, um dos tripulantes.

Segundo relatou, a notícia foi transmitida pela própria Marinha tanto a ela como a outros parentes que estão reunidos em um hotel da cidade de Mar del Plata, onde o submarino tinha sua base e onde na quinta-feira foram realizadas homenagens pelo primeiro aniversário do desaparecimento.

"Um dia 15 tirou eles de nós e um dia 15 os trouxe de volta!! Tantos sentimentos temos nestes momentos, pedimos respeito para eles. #44herorespresentes#arasanjuan", escreveram os familiares no Twitter.

Em declarações ao canal "TN", Jorge Villarreal, pai de Fernando, outro tripulante, destacou que já na manhã da sexta-feira tinham informado que "havia indícios que coincidia com 70% e 80% com as caraterísticas do submarino". "Mas às vezes se dizia o mesmo e eram formações rochosas (...) Nos chama a atenção que justo nesse ponto tinham passado e não o encontraram", afrimou.

"Vêm um monte de incógnitas agora, saber o que se passou. E sobretudo, a localização implica a ver a realidade de maneira muito crua, é muito difícil", diz Noelia, esposa de Hugo Aramayo, um dos tripulantes, ao "Clarín".

Imagem divulgada pela Marinha da Argentina do que pode ser o submarino Ara San Juan — Foto: Marinha da Argentina/Divulgação Imagem divulgada pela Marinha da Argentina do que pode ser o submarino Ara San Juan — Foto: Marinha da Argentina/Divulgação

Imagem divulgada pela Marinha da Argentina do que pode ser o submarino Ara San Juan — Foto: Marinha da Argentina/Divulgação

Desaparecimento há 1 ano

O ARA San Juan desapareceu em 15 de novembro de 2017, quando voltava do porto de Ushuaia, onde realizou exercícios militares, para a base naval de Mar del Plata.

Horas antes, o comandante havia alertado de uma falha provocada pela entrada de água por um duto de ventilação que vazou no compartimento das baterias elétricas e produziu um princípio de incêndio.

Embora a Marinha argentina tenha garantido em várias ocasiões que essa falha foi "corrigida" e que o San Juan continuou navegando para Mar del Plata, o certo é que seu rastro foi perdido e nunca chegou ao porto dessa cidade, onde deveria ter atracado em 19 de novembro.

O submarino diesel-elétrico de fabricação alemã, adquirido em 1985, era um dos três da Marinha argentina. Em 2014, ele havia sido reabilitado, e o sistema de baterias havia sido trocado.

As buscas

As buscas pelo Ara San Juan começaram 48 horas depois de seu desaparecimento, mas sem sucesso. Desde o fim do ano passado e ao longo de 2018, 13 países, incluindo o Brasil, reuniram esforços para participar das operações, com navios, aviões e submarinos.

Nos primeiros meses de busca, os trabalhos haviam se limitado a 430 km do litoral, em torno de uma área onde havia sido detectada uma explosão horas depois da última comunicação do submarino.

A pressão das famílias dos tripulantes, que juntaram recursos e acamparam 52 dias na Praça de Maio, em frente à sede da Presidência, em Buenos Aires, levou à contratação da empresa Ocean Infinity conhecida por participar da infrutífera busca pelo avião da Malaysia Airlines, desaparecido em 2014.

A empresa se comprometeu a fazer a busca por até 60 dias, e só ser remunerada caso encontrasse a embarcação. Após dois meses, a companhia chegou a anunciar que abandonaria a expedição nesta semana, ao menos, temporariamente. Porém, a descoberta de "um ponto de interesse" na quinta-feira (15) fez com que a empresa permanecesse na empreitada.

A localização do ponto, que acabou sendo confirmado como o paradeiro do submarino, foi divulgada na sexta-feira pela Marina da Argentina.




Untitled Document
© NAVIRAÍ EM FOCO | TODOS OS DIREITOS RESERVADOS